jusbrasil.com.br
23 de Agosto de 2019

Mapa da violência do Distrito Federal revela o óbvio: Miséria + ausência de Estado = homicídios

Na periferia, moradores convivem com índices de criminalidade que lembram o dos países mais violentos do mundo; nas áreas nobres, onde vivem políticos e a elite do funcionalismo, nenhum assassinato é registrado há dois anos. Mais parece a Europa

Rodrigo Xavier, Advogado
Publicado por Rodrigo Xavier
há 3 anos

Mapa da violncia do Distrito Federal revela o bvio Misria ausncia de Estado homicdios

O Distrito Federal abriga, ao mesmo tempo, a estrutura político-administrativa e residencial da capital, área onde não há homicídios, e regiões com assassinatos diários. Em regiões nobres como o Lago Sul, o Park Way e a Octogonal/Sudoeste há dois anos a polícia não registra assassinatos. Em outras, a poucos quilômetros do Palácio do Planalto e do Congresso, os índices de criminalidade são comparáveis às regiões mais violentas do país e do mundo.

De janeiro a julho deste ano a polícia brasiliense registrou 334 homicídios, 28 latrocínios e quatro mortes causadas por lesão corporal nas 31 regiões administrativas que formam o DF. Em média, foram quase duas execuções por dia. Isso representa 20 assassinatos por grupo de 100 mil habitantes/ano. Este índice é quase o dobro de São Paulo, a maior cidade da América Latina, que registra 11 homicídios, latrocínios e lesões fatais por grupo de 100 mil por ano.

A taxa está longe da contabilizada em um dos estados menos violentos do país, Santa Catarina, que registra 12 assassinatos por grupo de 100 mil habitantes/ano. Em alguns lugares, as estatísticas no Distrito Federal são próximas às registradas por alguns dos países mais violentos do mundo, como Nicarágua e El Salvador.

Mapa da violncia do Distrito Federal revela o bvio Misria ausncia de Estado homicdios

Os números oficiais revelam que a região mais perigosa do DF é a Fercal. Apelido dado a um local invadido por migrantes, hoje regularizado, onde vivem quase 9 mil pessoas. Nos sete primeiros meses deste ano, a pequena região administrativa registrou 45 mortes violentas por grupo de 100 mil habitantes. São taxas que deixam o lugar, que fica a menos de 30 quilômetros do Palácio do Planalto, com níveis de violência comparáveis a de cidades da Nicarágua e El Salvador, dois países que estiveram em guerra até a década de 1990 e registraram em 2014 entre 45 e 90 assassinatos por grupo de 100 mil habitantes por ano. Na Fercal, a renda per capita mensal é de R$ 670. Menor que há três anos. Lá, cada casa consegue ganhar R$ 2,4 mil mensais.

Em seguida vem o Paranoá, uma das primeiras invasões coletivas que virou cidade. De janeiro a julho deste ano, a região registrou 33 mortes por grupo de 100 mil habitantes/ano. Nesse aglomerado a renda per capita mensal é de R$ 963. A terceira mais violenta é a Estrutural, com 28 mortes violentas. Habitada há poucos anos por pessoas que viviam e ainda vivem do maior lixão a céu aberto da América Latina, hoje oficialmente é uma região administrativa, cuja renda per capita é de R$ 548 mensais. Por lá neste ano o índice é de 24 assassinatos por grupo de 100 mil habitantes.

Nos Estados Unidos este índice que mede a intensidade da violência não passa de cinco assassinatos por grupo de 100 mil habitantes/ano. Na Bélgica e na Holanda o número é ainda menor: três homicídios, latrocínios e lesões fatais por grupo de 100 mil. No Japão a taxa é abaixo de um por 100 mil. No lado violento do mundo onde se encontra o DF, há exemplos como o de Honduras, onde a taxa de assassinatos é de 91, e na Jamaica, onde são registradas 52 execuções por grupo de 100 mil moradores.

É consenso entre delegados que os índices de criminalidade em Brasília e arredores também refletem a atuação de quadrilhas organizadas que vivem nas cidades no entorno do DF. Os policiais garantem que grupos como o Primeiro Comando da Capital (PCC), de São Paulo, se instalaram nos municípios goianos vizinhos à capital e transformaram os brasilienses em mercado para fornecer drogas e fonte de roubos e assaltos. Pesquisadores também apontam o crescimento súbido e desordenado como outro importante motivo do aumento dos índices de violência.

A Secretaria de Segurança Pública comemora uma ligeira queda de 1,3% na taxa de homicídios no DF de janeiro a setembro com relação ao mesmo período do ano passado. A redução não tira a capital e suas cidades satélites – como eram chamadas as atuais regiões administrativas quando o DF foi implantado – dos primeiros lugares nas estatísticas nacionais da violência. Além de Brasília, apenas São Paulo, Espírito Santo, Ceará e Amazonas registraram redução nesse tipo de crime. Os “medidores” históricos dos níveis de violência do DF constatam uma preocupante estabilidade nas taxas de criminalidade, com a migração dos focos de delitos.

Ilhas de excelência

Mapa da violncia do Distrito Federal revela o bvio Misria ausncia de Estado homicdios

A violência também é desigual na capital do país. No DF há ilhas de excelência comparáveis às regiões mais ricas da Europa. O Lago Sul, o Park Way e a Octogonal/Sudoeste são três localidades onde não há homicídio desde 2014. Nestas áreas moram, sobretudo, a elite do serviço público e autoridades dos três poderes. Têm baixa densidade, a população é estável e formada principalmente por gente madura. A renda per capita lá varia entre R$ 6 mil e R$ 8 mil, o nível de escolaridade é o superior completo, a urbanização e a implantação dos equipamentos públicos são de alto nível. São características de locais pacatos. Outras regiões também de classe média e classe média alta, como o Lago Norte, o Plano Piloto, Águas Claras e o Cruzeiro, registram poucos crimes violentos, com taxas europeias.

Especialistas em segurança pública apontam a estabilidade da população local como um dos fatores que mantêm o baixo nível de violência, além da baixa densidade habitacional. No Lago Sul, no Park Way e na Octogonal/Sudoeste não há terminais de ônibus, os moradores quase não usam o transporte público. Nos dois primeiros, a ocupação urbana é horizontal, com a quase totalidade das unidades habitacionais de casas. A Organizações das Nações Unidas (ONU) já apontou Brasília – formada pelo Plano Piloto e estes “bairros” pacatos, como uma das dez cidades do mundo com maior Índice de Desenvolvimento Humano (IDH).

A secretária de Segurança Pública, a socióloga Márcia de Alencar, classifica estes locais de “nirvana”, em referência à meta máxima do estágio espiritual dos budistas. Mas também cita novas aglomerações como Café Sem Troco, localizada na Fercal, região proporcionalmente mais violenta (veja mapa), Água Quente, e um local conhecido como Santa Luzia, uma espécie de favela do lixão que forma a cidade Estrutural, como áreas de elevada de violência. “As maiores aglomerações de crimes violentos são pontuais. Normalmente em locais com baixa presença do Estado e atuação do tráfico de drogas”, explica a secretária.

Márcia argumenta que a violência também se combate com a implantação de iluminação pública e a limpeza urbana, por exemplo. Essa é a linha priorizada pelo atual governo para combater a criminalidade nessas regiões.

Fonte

Comentários:

Em época de grande demagogia, que os heróis aparecem para buscar penas mais duras aos crimes cometidos pelos miseráveis, esses dados revelam como o Estado é organizado. É uma estrutura moldada para garantir privilégios a uma casta de pessoas que fazem parte do clube da "cleptocracia" que direciona toda a riqueza e benefícios sociais para si mesmos, enquanto o restante das pessoas ficam em um total abandono suplantado por poderes locais que, muitas vezes, são oxigenados pelo tráfico de substâncias ditas ilegais, segundo os critérios da própria Estrutura de Poder.

Os criminologistas gritam isso a todo instante, suas vozes são sufocadas por uma inundação de informações manipuladas que atribuem as causas da criminalidade ao "crime organizado" composto por traficantes armados, estereotipados pelos noticiários como os "inimigos" da sociedade. Para estes, nada de Direitos Humanos, pois, "Direitos Humanos são para humanos direitos". Não importa a nitidez desse som, as vozes são abafadas pelo grande volume de desinformações que criam uma atmosfera que bloqueia as vibrações sonoras como se existissem dois ambientes distintos entre o emissor e os receptores. É como tentar fazer ser ouvido fora de uma piscina mergulhado nela, as vibrações sonoras não passam de uma atmosfera para a outra, não importa o quão alto se grite, não é possível identificar o som.

Aonde há descaso, ausência de educação de qualidade, abandono e miséria há crimes violentos. As lacunas de poder são preenchidas por outros com seu próprio ordenamento normativo que não respeitam os princípios construídos ao longo da história da humanidade.

4 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Recomendo leitura:

WILKINSON, Richard; PICKETT, Kate. O Espírito da Igualdade – Por que razão sociedades mais igualitárias funcionam quase sempre melhor. Coleção: Sociedade Global. Nº na Coleção: 40. Data 1ª Edição: 20/04/2010. Nº de Edição: 1ª. Editora Presença.

A presença do Estado deve ser igualitária. No livro, as diferenças sociais são arranjos institucionais sociopolíticos [melhor que outros]. Nos EUA, por exemplo, as desigualdades sociais [economia] são altas. Além disso, discriminação penal: penas mais severas para afrodescendentes e hispânicos do que em relação aos brancos. Aliás, não tenho em mãos agora, há operadores de Direito admitindo que hispânicos e afrodescendentes são criminosos natos. Imagine com Donald Trump no poder? continuar lendo

É! Vejo muitos Lombrosos ressuscitando das covas da ignorância.

Obrigado pela dica do livro.

Os EUA encontraram na guerra contra as drogas a forma de exercer seu preconceito livremente. Não criminaliza-se o indivíduo diretamente, mas, torna-se ilícito aquelas condutas comuns, culturais de uma determinada parcela, como por exemplo, a criminalização do uso da maconha utilizada, a princípio por latinos e árabes.

Em conjunto com isso temos os meios de comunicação criando entretenimento com figuras caricatas de negros, latinos e árabes. Os filmes de ação temos ou combate aos terroristas, ou combate ao tráfico de drogas, comandado por negros e hispânicos rotulados como sanguinários, criando uma consciência coletiva que tende a marginalizar esses grupos. continuar lendo

Prezado, fiquei na dúvida sobre alguns dados. A cidade de Fercal tem 9 mil habitantes, certo? E há um índice de 45 mortes sobre 100 mil? então seria algo como 4 mortes sobre 9 mil. Fiquei com essa dúvida. Obrigado pelo ótimo artigo. continuar lendo

Obrigado!
É que se utiliza a proporção de homicídio por 100 mil como padrão para todos os lugares do mundo.

A Fercal é uma pequena região do Distrito Federal com, aproximadamente, 9 mil habitantes. Por isso é tão alto o índice, pela pequena população em relação à quantidade de homicídios.

Como pode ver no quadro, é a maior em número absoluto. continuar lendo